domingo, 31 de outubro de 2010


Edward Hopper, Automat, 1927

1 comentário:

Helena disse...

Que bem que este homem sabia pintar o desamparo da solidão!